O Incrível Hulk (2008)

O Incrível Hulk é um típico filme de verão. É exatamente uma HQ filmada do Gigante Esmeralda. Apesar do roteiro ter suas (muitas) falhas, Zak Penn e o próprio Edward Norton formam uma boa parceria. Existem falhas um tanto toleráveis, mas para alguns pode extremamente desagradável. O de sempre: o óbvio, a falta de ousadia; um conselho é pegar leve com a trama, já que o primeiro filme foi ignorado. Com elenco, diretor e argumentos diferentes para seguir com a história do Hulk.

O início no Brasil tem uma cena bem feita, mostrando inicialmente o Hulk apenas na penumbra. O recurso desperta curiosidade e até medo. Louis Leterrier não gosta de mostrar logo de cara as criaturas do filme e faz isso usando, às vezes, um estilo documental interessante.

A essência do personagem foi bem retratada por Norton. O que incomoda mais no longa é Liv Tyler que sussurra o filme inteiro. Os filmes da Marvel tem o objetivo único de agradar fãs e em O Incrível Hulk conseguiu tal façanha. Na visão crítica, é um filme mediano. Agora se você é fã ficará mais do que satisfeito com o longa. Pouco se importará com as falhas no roteiro e irá enlouquecer com o famoso “Hulk, smash”.

Não é louvável apontar o tempo inteiro os defeitos do filme, eles estão lá; é importante, porém, lembrar que é do Hulk que estamos falando é o personagem é isso: destruição, barulho e raiva. Muita raiva. IMDb