Eu Receberia as Piores Notícias dos seus Lindos Lábios (2012)

Maravilhoso presenciar na grande tela filmes como esse. Luxúria, amor e pecados constantemente presente nos lindos lábios de Camila Pitanga. É evidente que quase todo espectador teve a constante impressão de está assistindo vários monólogos filmados de tão teatral que parece ser. Isso não incomoda, ao invés disso, cria força para as atuações e para o roteiro. É a característica mais marcante do filme.

O que quebra esse ligeiro desconforto e a tamanha força da fotografia, em todos os momentos meticulosamente enquadradas de forma perfeita. Poderia diminuir a quantidade de traveling da câmera aqui e ali, detalhe insignificante comparado ao roteiro que encenado pelo elenco torna os diálogos tão naturais e belos.

O elenco todo é extremamente primoroso, mas é fácil apontar que está melhor em cena. Camila Pitanga se entrega ao papel. Vê-la como Lavínia é um presente para qualquer fã de cinema. Personagem difícil e ousada, Pitanga destrói. Cala várias bocas quando entrega uma da melhores atuações do ano. Gero Camilo é impecável em todos os poucos momentos que aparece, introduzindo seus monólogos onde destila suas desilusões amorosas em poesia. Poesia. Pura poesia. O filme inteiro.

Seu único pecado porém é a montagem. A forma que a trama é levada lembra Closer – Perto Demais (2004), inclusive uma cena em especial é idêntica a uma protagonizada por Natalie Portman e Jude Law. Rodado de forma não linear, o fato de não indicar o tempo ao espectador não é problema para compreensão do filme, mas o método é usado exacerbadamente  e é o único fator que chega a incomodar.

O que pode ser visto como falha para uns, noutra perspectiva pode ser visto como uma abordagem artística necessária para a trama. O que acaba sendo mesmo, confesso. Mas é preciso cuidado para não errar a mão. Roteiro, fotografia, direção e principalmente atuações foram todos resultado de dosagens exatas. IMDb